Acesso ao Parque de Monserrate: Alteração temporária de trânsito. Saiba mais /// Palácio da Pena: visita apenas com data e hora marcada, indicadas no seu bilhete; não existe tolerância de atraso. Saiba mais

Rara tapeçaria do século XVI regressa ao Palácio Nacional de Sintra após restauro

18-01-2023

 

Um dos maiores tesouros do acervo do Palácio Nacional de Sintra está de volta ao circuito expositivo do monumento, depois de uma intervenção de conservação e restauro que lhe devolveu o esplendor. Trata-se da rara tapeçaria millefleurs (mil flores) com as Armas Reais Portuguesas, dos inícios do século XVI, de provável produção flamenga; uma das mais antigas tapeçarias existentes em Portugal e, entre estas, a única que se associa à Casa Real Portuguesa ou ao rei D. Manuel I, cujo emblema pessoal – a esfera armilar – surge representada nos quatro cantos da peça.

 

Incorporada nas coleções do Palácio Nacional de Sintra na década de 1960, esta tapeçaria sempre teve um lugar de destaque no percurso expositivo e só saiu do monumento para figurar em importantes exposições, como “Brasil 500 anos”, em São Paulo, no ano 2000, ou “Lords of the Ocean”, nos museus do Kremlin, em 2017.

 

Em meados de 2021, no âmbito das comemorações dos 500 anos da morte do rei D. Manuel I, a peça foi emprestada ao Museu Nacional de Arte Antiga para a exposição “Vi o Reino Renovar”. Na sequência deste empréstimo, o museu decidiu investir na sua conservação e restauro, tendo, para isso, o acompanhamento da equipa do Palácio Nacional de Sintra.

 

No atelier de Luís Pedro, especialista em conservação e restauro de têxteis, a tapeçaria, constituída por delicados fios de algodão, lã e seda, foi, então, objeto de uma meticulosa intervenção que visou a remoção da sujidade, a estabilização de áreas de lacuna, a revisão do sistema de suspensão e a recolocação do forro.

 

Nova museografia destaca e enquadra valiosa tapeçaria

 

Por seu turno, para dar lugar de destaque a esta valiosa peça e acomodá-la condignamente no seu regresso, a Parques de Sintra investiu na preparação de uma nova museografia no corredor que conduz a uma das mais emblemáticas salas do Palácio Nacional de Sintra: a Sala dos Brasões. O espaço, que integra o núcleo expositivo dedicado à memória, é, agora, subordinado ao tema da continuidade do brasão de Portugal desde os inícios da Monarquia até à contemporaneidade, apresentando um importante conjunto de peças que revelam como o escudo (com a bordadura vermelha, castelos de ouro e escudetes com besantes) foi utilizado pelos órgãos de poder ao longo dos últimos 800 anos.

 

Na parede, sobressai a rara tapeçaria mille fleurs do século XVI com as armas de Portugal ao centro. Após a intervenção de conservação e restauro, recuperou o seu esplendor e passa a estar exposta numa vitrine especialmente concebida para protegê-la e garantir a sua preservação, permitindo, simultaneamente, que todos possam usufruir dela.

 

As tapeçarias mille fleurs, caracterizadas pelo fundo preenchido por vegetação – uma composição de «mil flores», foram das produções têxteis de maior sucesso nos Países-Baixos ao longo dos séculos XV e XVI. No caso específico desta peça, não é possível determinar com exatidão a origem, mas a sua tipologia leva a crer que tenha sido produzida pela manufatura de Bruxelas, o principal centro de produção flamenga da época, a partir de uma provável encomenda régia.

 

O escudo de armas representado no centro da tapeçaria corresponde ao que foi usado entre os reinados de D. João I e D. João II, antes da reforma das armas reais que levou à remoção das flores-de-lis, símbolo da Cruz da Ordem de Avis, e à alteração dos escudetes ao centro do brasão. Contudo, a inclusão das esferas armilares, emblema de D. Manuel I, revela que a tapeçaria será seguramente posterior. Certo é que, como enfatizou Maria José de Mendonça, museóloga e especialista em tapeçaria, estamos perante “uma espécie única no Estado Português. As tapeçarias heráldicas com brasões portugueses são raríssimas, particularmente com armas reais."

 

Portugal encomendou à Flandres, entre meados do século XV e o final do século XVI, importantes séries de tapeçarias, sendo as que apresentam brasões portugueses de extrema raridade. Estas peças sumptuosas revestiam as paredes e protegiam os ambientes contra o frio e a humidade. Simultaneamente, constituíam um importante veículo de propaganda visual e de afirmação do poder do rei.

 

A nova museografia do Corredor dos Brasões apresenta, igualmente, um conjunto de objetos que têm em comum as armas de Portugal, designadamente, pinturas de retratos; moedas da Primeira Dinastia (encontradas em escavação arqueológica no palácio); um azulejo do século XIV; um fac-simile do Livro da Nobreza e Perfeição das Armas (original é do séc. XVI); uma escrivaninha, prato e pisa-papéis dos séculos XVII a XIX; e um conjunto de estacionário dos séculos XIX e XX.

01 Corredor Brasoes PN Sintra Montagem Nova Museografia Cred PSML Jose Marques Silva