Palácio da Pena: visita apenas com data e hora marcada, indicadas no seu bilhete; não existe tolerância de atraso

História da Parques de Sintra

Vila Fonte Castelo Dos Mouros Credits PSML WP 15 4 (1) (1) (1)

2000

  • Constituição da Parques de Sintra-Monte da Lua, S.A.

2004

  • Reabilitação das coberturas e fachadas do Palácio de Monserrate.

2006

  • Início da implementação do conceito “Aberto para Obras”, iniciativa que permite aos visitantes presenciarem de perto os trabalhos de salvaguarda e valorização em curso, privilegiando o diálogo com os técnicos especialistas envolvidos.

2007

  • Reestruturação da empresa.
  • A gestão do Palácio Nacional da Pena é entregue à Parques de Sintra.
  • Início de intervenções extensivas e sistemáticas em todas as propriedades geridas pela Parques de Sintra (recuperação de muros e caminhos e limpeza e beneficiação florestal).

2008

  • Adaptação da Quintinha de Monserrate a área de atividades pedagógicas.

2009

  • Aquisição da Mata da Trindade (enclave no Castelo dos Mouros – 1,94 hectares) e da Tapada do Ramalhão (enclave no Parque da Pena – 4,3 hectares).
  • Aquisição da Tapada das Roças (43 hectares) e da estrada das Sequoias que permitiram estabelecer a continuidade entre Monserrate, Pena e Mouros e, ao mesmo tempo, beneficiar uma área abandonada que punha em risco a limpeza global realizada nas propriedades até então geridas pela Parques de Sintra.

2010

  • Reabertura do Palácio de Monserrate após um processo de recuperação e restauro apoiado pelo fundo EEA Grants (Prémio Turismo de Portugal – "Melhor Requalificação de um Projeto Público").
  • Inauguração do Jardim do México (Parque de Monserrate), com festa patrocinada pela Embaixada do México.
  • Aquisições de lotes na Tapada do Saldanha, área muito degradada situada na Zona de Proteção da Paisagem Cultural de Sintra e local de origem de vários incêndios.

2011

  • O Chalet e Jardim da Condessa d’Edla reabrem ao público após um processo de recuperação e restauro, apoiado pelo EEA Grants. Inauguração com concerto de ópera em que foram cantadas árias que a Condessa terá cantado.
  • Conclusão da recuperação do Roseiral do Parque de Monserrate. O jardim foi inaugurado por Suas Altezas Reais o Príncipe de Gales e a Duquesa da Cornualha (29 de março).
  • Aquisição da Quinta da Amizade e Vila Sassetti, na encosta do Castelo dos Mouros.
  • Em 2011 os parques, palácios e monumentos geridos pela PSML recebem pela primeira vez mais de 1 milhão de visitantes.

2012

  • Os Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz passam para a gestão da Parques de Sintra, bem como a Escola Portuguesa de Arte Equestre, sediada no Palácio de Queluz.
  • Em 2012, o número de visitas atingiu 1.138.000, mais de 90% das quais por parte de estrangeiros.

2013

  • Conclusão e inauguração da 2ª fase da recuperação da Quinta da Pena, que inclui a Abegoaria e novas cavalariças. Lançamento de programas de turismo equestre no Parque da Pena e de trabalhos florestais com recurso a cavalos de tiro.
  • Conclusão do projeto global de recuperação e restauro do Castelo dos Mouros, que foi dotado de equipamentos de acolhimento ao público e de interpretação do monumento, até então inexistentes. A inauguração deste projeto foi celebrada com o evento "Marrocos no Castelo dos Mouros", em parceria com a Embaixada de Marrocos.
  • No Convento dos Capuchos, restauram-se os revestimentos e as coberturas.
  • O Palácio Nacional de Sintra recupera a homogeneidade cromática dos revestimentos exteriores através da caiação do monumento, incluindo as duas grandes chaminés, e recuperam-se também as coberturas.

2014

  • O Salão Nobre do Palácio Nacional da Pena é inaugurado após intervenções de restauro integral de decorreram ao longo de 3 anos (Prémio Nacional de Reabilitação Urbana - menção honrosa “Melhor Intervenção de Restauro”).
  • No Palácio Nacional da Pena, a loja, a cafetaria e o restaurante são remodelados (Prémio SIL do Imobiliário - categoria “Reabilitação Urbana – Turismo”).
  • Lançamento da Temporada de Música da Parques de Sintra em colaboração com o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal.
  • Por ocasião da comemoração dos 180 anos da morte de D. Pedro IV, inaugura-se, no Quarto D. Quixote do Palácio Nacional de Queluz, um novo projeto museológico dedicado a este rei de Portugal e Iº Imperador do Brasil.
  • O Relógio Monumental do Palácio Nacional da Pena é restaurado.
  • No Parque da Pena, recuperam-se as estufas da Quinta da Pena, e restauram-se as construções existentes no Vale dos Lagos, bem como a Capela Manuelina e o Tanque dos Frades.
  • A loja e da bilheteira do Palácio Nacional de Sintra são remodeladas.
  • Inicia-se a grande intervenção de restauro das fachadas, cantarias e vãos do Palácio Nacional de Queluz, com vista à recuperação da cor azul original deste monumento.

2015

  • No Palácio Nacional de Queluz é concluído o restauro das fachadas, cantarias e vãos dos Jardins Superiores e iniciada a intervenção nas fachadas exteriores.
  • Recuperação dos percursos de visita do Parque da Pena, com reformulação da sinalética e do mobiliário de jardim, e requalificação dos estacionamentos da entrada dos Lagos, da entrada principal e da Casa da Lapa.
  • São inauguradas as novas instalações da Escola Portuguesa de Arte Equestre no Picadeiro Henrique Calado, em Belém, recuperado integralmente para acolher as apresentações regulares da Escola ao público. A gala inaugural decorreu em julho de 2015.
  • É concluída a recuperação dos jardins da Vila Sassetti e a abertura ao público da quinta e do caminho pedonal entre o centro histórico de Sintra e o Castelo dos Mouros e o Parque da Pena.
  • Os monumentos sob gestão da Parques de Sintra recebem, pela primeira vez, mais de 2 milhões visitantes num só ano, aumentando o número de visitas em 15,86%.

2016

  • O Palácio Nacional de Queluz recupera integralmente a sua cor azul original com a conclusão do restauro das fachadas, cantarias e vãos das fachadas viradas para o exterior.
  • É inaugurada, no Palácio Nacional de Queluz, a Biblioteca de Arte Equestre D. Diogo de Bragança, VIII Marquês de Marialva, a única biblioteca nacional dedicada exclusivamente à Arte Equestre e aberta ao público.
  • Ainda no Palácio de Queluz, é inaugurada a nova cafetaria, o auditório e a sala de eventos, no Pavilhão Robillion.
  • É concluída a intervenção de restauro do Jardim Botânico do Palácio Nacional de Queluz.
  • É assinado o protocolo para a concretização do “Eixo Verde e Azul”, entre a Parques de Sintra e os municípios de Sintra, da Amadora e de Oeiras, com vista a requalificação da zona envolvente ao Palácio Nacional de Queluz e à criação de um novo novo Parque Urbano.
  • Comemoração do bicentenário do nascimento de D. Fernando II, criador do Parque e Palácio da Pena, com a exposição de arte contemporânea “Point of View”, que reuniu dez artistas de diversas nacionalidades que criaram instalações em diferentes pontos do Parque da Pena, e com a exposição “Fernando Coburgo Fecit”, no Palácio da Pena, que revelou um acervo de peças artes plásticas e decorativas da autoria do rei.
  • No Palácio Nacional de Sintra, foi recuperada a Cozinha Real e instalada uma nova loja no final do percurso de visita a este monumento.
  • A gestão das áreas florestais pela Parques de Sintra é certificada pelo Forest Stweardship Council®, garantindo que esta obedece a rigorosos critérios de sustentabilidade.

2017

  • O primeiro concerto virtual em videomapping produzido em Portugal, projetado nas fachadas exteriores do Palácio Nacional de Queluz, assinala a conclusão da primeira grande campanha de obras de restauro deste palácio, após o incêndio de 1934, que devolveu ao monumento a sua cor azul original.
  • É inaugurado o restauro do Jardim Botânico do Palácio Nacional de Queluz premiado, em 2018, com um Prémio União Europeia para o Património Cultural/Europa Nostra, na categoria "Conservação" e o Prémio Escolha do Público.
  • As instalações da Escola Portuguesa de Arte Equestre no Pátio da Nora, que servem de apoio às apresentações no Picadeiro Henrique Calado, são reabilitadas e passam a integrar a experiência de visita.
  • Comemoração dos 200 anos do nascimento de Francis Cook, criador do Parque e Palácio de Monserrate, com a exposição “Monserrate Revisitado”, que reuniu no interior do palácio mobiliário e obras de arte da época da sua vivência pela família Cook.
  • Parques de Sintra assina protocolos de gestão do Farol do Cabo da Roca e do Santuário da Peninha.
  • Os monumentos sob gestão da Parques de Sintra recebem, pela primeira vez, mais de 3 milhões visitantes num só ano.

2018

  • A área florestal gerida pela Parques de Sintra foi incrementada em 468 hectares, com a entrega para gestão do Perímetro Florestal da Serra de Sintra e do Perímetro Florestal da Penha Longa, passando a empresa a gerir um total de 1.175 hectares, entre parques e monumentos e zonas florestais.
  • É restaurada a Cascata Grande e o muro exterior do Palácio Nacional de Queluz.
  • No Palácio Nacional da Pena, são restaurados o Claustro Manuelino e a Sala de Fumo e a entrada principal do parque é reformulada para permitir um melhor acolhimento dos visitantes.
  • Celebração do Ano Europeu do Património Cultural com o projeto “Somos O Que Comemos”, de divulgação do património alimentar da região de Sintra.
  • Comemoração do Ano Europeu do Património com a participação dos Palácios Nacionais da Pena, de Sintra e de Queluz na exposição temporária à escala europeia “Um Lugar à Mesa Real”, organizada pela ARRE – Network of European Royal Residences, sob o tema “Design e inovação à Mesa Real no século XIX”.

2019

  • Inauguração do Quarto do Leito de Aparato no Palácio Nacional de Sintra, onde se expôs pela primeira vez, após minucioso restauro, o Leito de Prata do século XVII adquirido pela Parques de Sintra em 2016.
  • Início do projeto de abertura ao público do Pavilhão de D. Maria I do Palácio Nacional de Queluz, utilizado durante a segunda metade do século XX como residência oficial dos chefes de estado estrangeiros em visita a Portugal.
  • Durante a época natalícia, foi temporariamente reconstituída a Árvore de Natal do Palácio da Pena, decorada com os elementos decorativos representados nas gravuras de D. Fernando II.
  • Celebração do 40º aniversário da criação da Escola Portuguesa de Arte Equestre com diversas galas temáticas ao longo do ano, que culminaram numa gala realizada no Campo Pequeno, em Lisboa, para a qual foram convidadas duas das suas congéneres, as Escolas de Jerez de La Frontera e de Saumur.
  • A 18 de setembro, encerramento do Convento dos Capuchos ao público para a recuperação das coberturas e infraestruturas interiores do monumento, no âmbito do projeto global de requalificação daquele espaço.
  • Inauguração do Centro de Interpretação da Natureza no Parque de Monserrate, que veio enriquecer a oferta de programas especialmente dirigidos às escolas e às famílias.

2020

  • Devido à pandemia de Covid-19 e ao Estado de Emergência decretado pelo Governo português para conter o contágio, os parques e monumentos encerraram ao público de 14 de março a 18 de maio.
  • A 1 de agosto, reabertura do Convento dos Capuchos ao público após conclusão das intervenções de restauro e conservação, projeto premiado, em 2022, com um Prémio União Europeia para o Património Cultural/Europa Nostra na categoria "Conservação e Reutilização Adaptativa".
  • No Palácio Nacional de Sintra, o circuito expositivo vê os conteúdos integralmente remodelados e é enriquecido com a abertura dos Aposentos de D. Maria Pia de Saboia, musealização que contemplou a abertura de 8 novos ao público e a integração de cerca de 100 bens móveis até então inacessíveis aos visitantes.
  • São reabertas quatro salas do piso nobre do Palácio Nacional da Pena com a reconstituição dos aposentos de D. Manuel II, uma sala com exposição aos interesses de D. Fernando II enquanto colecionador e artista amador e uma sala consagrada aos últimos monarcas que habitaram a Pena: D. Carlos, D. Amélia e D. Manuel II.
  • Lançamento de experiências digitais, como a “Visita 360º ao Palácio Nacional de Sintra” e as “Linhas do Tempo”.
  • Reformulação da programação da Parques de Sintra para responder à alteração de comportamentos do público em função da pandemia, com criação de novas ofertas e experiências.
  • Criação de um novo site oficial que permite ao visitante localizar toda a informação necessária para a preparação da visita e acolher os recursos online já desenvolvidos e em desenvolvimento.

2021

  • Implementação de novo sistema de bilhética que oferece resposta adequada às necessidades da empresa, melhora a experiência do visitante e permite a venda de bilhetes para os monumentos com reserva de data e hora. No Palácio da Pena é implementada a visita apenas por slots horárias.
  • No Palácio Nacional de Sintra, são inauguradas a remusealização da Sala das Galés, cuja função era desconhecida até ao projeto de investigação que lhe esteve subjacente a ter revelado, e reabilitação da Guarda Roupa e Camarim Reais.
  • No Palácio Nacional de Queluz, é reformulada a Sala das Porcelanas e concluído o projeto de remusealização do Pavilhão D. Maria I.
  • Nos jardins do Palácio Nacional de Queluz, é inaugurado o percurso dos Lagos e Fontes, após a conclusão do projeto de recuperação das cantarias, dos grupos escultóricos e das infraestruturas, a par da revisão do sistema hidráulico, que permitiu reabilitar o efeito cénico dos jogos de água característicos dos jardins setecentistas.