Corrida Fim da Europa – 29 de janeiro: cortes de trânsito. Saiba mais  /// Acesso ao Parque de Monserrate: Alteração temporária de trânsito. Saiba mais 

Sala Brasoes 790X593px

Descubra os objetos em exposição no Palácio Nacional de Sintra

Sala dos Brasões

Este espaço quadrado (lado cerca de 12m) ocupa na totalidade o piso nobre da Torre construída por D. Manuel I no século XVI. A cúpula (1517-1518) de base octogonal contém brasões de famílias nobres de Portugal, com as armas reais no topo. As paredes foram revestidas no século XVIII a azulejos com cenas galantes.

 

Conheça os objetos expostos nesta sala.

Armas D Manuel 790X593px

Armas do Rei D. Manuel I

As armas de D. Manuel I (1469-1521), como rei de Portugal, são apresentadas no centro e topo da hierarquia social. Em seu redor, aparecem as armas dos oito filhos e filhas que o rei tivera com a rainha D. Maria de Aragão (1482-1517) até 1515.

Veado 790X593px

Veado

O veado no teto da sala é símbolo de justiça. Na faixa, hoje apagada, podia ler-se a divisa do avô de D. Manuel I (1469-1521), o rei D. Duarte (1391-1438): “Tan ya serey”.

AZ Mestre PMP 790X593px

Azulejos

Pintados entre 1710 e 1715 pelo artista conhecido como Mestre P.M.P., iniciais com que assinava as suas obras, estes painéis de azulejos apresentam cenas de caça ao veado e ao urso, a par de outras onde se vêem pessoas nobres a desfrutar do ar livre. A representação de momentos de lazer foi um dos temas preferidos para enriquecer as residências de campo da nobreza do século XVIII.

Identidade

A Sala dos Brasões é a expressão máxima do ideal de monarquia do rei D. Manuel I (1469-1521).

Ao colocar o seu brasão no alto da cúpula desta sala, D. Manuel projeta-se como centro e topo de uma sociedade altamente hierarquizada, mas interdependente. O seu poder depende do apoio da nobreza, e esta obtém do rei a distinção social de que necessita.

A nobreza é aqui representada pelos brasões das 72 famílias mais importantes. Os brasões servem para que os indivíduos se identifiquem através das suas linhagens – as linhas de parentesco a que pertenciam. O próprio D. Manuel expõe aqui a sua descendência, através dos brasões dos seus oito filhos e filhas, com meio brasão a completar após matrimónio; bem como a sua ascendência, através da divisa do seu avô, o rei D. Duarte, que outrora podia ler-se sobre os veados.

A inscrição em torno da sala revela como a memória dos serviços prestados pelos antepassados – “os leais serviços” – definiam a identidade e a posição social de cada um. Quanto ao rei, ele é o juiz supremo a quem cabe garantir essa ordem.