Corrida Fim da Europa – 29 de janeiro: cortes de trânsito. Saiba mais  /// Acesso ao Parque de Monserrate: Alteração temporária de trânsito. Saiba mais 

Sala Leito Aparato 790X593px

Descubra os objetos em exposição no Palácio Nacional de Sintra

Sala do Leito de Aparato

Esta é uma das salas do palácio cuja função original se desconhece.
Edificada possivelmente no século XV.

Expõe-se aqui um leito de aparato do século XVII, que pertenceu aos Duques de Cadaval.

 

Conheça os objetos expostos nesta sala.

PNS6207 790X593px (2)

Leito de Aparato

  • Portugal (?), século XVII (segunda metade)
  • Ébano, pau-santo, angelim, prata e cobre
  • Nº. Inv. PNS6207

Este leito é uma das peças mais emblemáticas do Palácio Nacional de Sintra, tendo sido adquirido pela Parques de Sintra em 2016. Trata-se de um leito de aparato do século XVII, o único exemplar existente no país. Funcionava como símbolo de estatuto e poder para o seu proprietário, estando exposto em espaço palaciano de acesso restrito.

Um leito semelhante foi utilizado para expor publicamente o corpo do rei D. Afonso VI (1643-1683), quando este faleceu no Palácio em 1683.

Saiba mais aqui

Autoridade

Este é o núcleo mais antigo do palácio. É uma estrutura fortificada que foi construída para defender o território envolvente.

Reformado no tempo de D. Dinis e D. Isabel de Aragão (séc. XIII), este Paço exibia, perante a população, a autoridade senhorial. Autoridade essa que cabia à Rainha, a quem o rei entregava as terras (ou vila) de Sintra para sua gestão.

Como autoridade máxima, as rainhas tinham o seu aposento nesta zona do Paço, que era a mais inacessível de todas. Esta era, também, uma forma de controlar o acesso às mulheres da Corte, para que a autoridade do rei e da sua descendência não fosse posta em causa.

Contudo, no século XVII, este espaço teve uma utilização diferente. Tornou-se prisão do rei D. Afonso VI (1643-1683), que foi afastado pelo irmão. O rei viveu aqui, inacessível e guardado por 300 soldados, durante nove anos. O Paço, símbolo de autoridade em períodos mais antigos, agora obsoleto, passava a ser um espaço de prisão de um rei a quem era retirada a autoridade real.