PANDEMIA /// Alterações no funcionamento de algumas Cafetarias e Bilheteiras (consultar Planear a visita) / Entrada dos Lagos do Parque da Pena temporariamente encerrada *** 06 fevereiro: Corrida "Fim da Europa" > consulte interrupções de trânsito em Planear a visita

Na Real Quinta de Queluz com Iskrena Yordanova: David Perez, a corte, as serenatas e o fascinante património musical do séc. XVIII

Sala Da Musica Queluz Credits PSML WP 14 10
Novidade

Local

Palácio Nacional de Queluz

Data

14 janeiro 2022

Horário

19h00>21h00

Bilhete

1€ (compra exclusivamente online)

Inscrições

Limitadas a 20 participantes

Como se recupera um importante manuscrito musical que ficou esquecido e jacente no acervo da Biblioteca de Ajuda durante 250 anos? Ao contrário das outras artes, a música precisa do ato da execução para ser apreciada. Através de um trabalho sistemático de recuperação das Serenatas escritas para o Palácio de Queluz, o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal faz conhecer ao público contemporâneo 'L’Isola disabitata' (Queluz, 1767) de David Perez num projeto de investigação que incluiu o estudo do contexto de execução e criação desta obra, a sua edição crítica, e também a estreia mundial moderna pela orquestra barroca Divino Sospiro. Neste encontro, que reúne o público com Iskrena Yordanova, musicóloga, e António Nunes Pereira, diretor do Palácio Nacional de Queluz, será desvendado o processo de recuperação e valorização deste fascinante repertório

 

David Perez (1711-1778) foi um dos compositores mais relevantes no panorama musical europeu do séc. XVIII. Nasceu e estudou em Nápoles, um dos principais centros de excelência e inovação de criação musical naquela época. A sua primeira ópera foi estreada em 1735 no Palácio Real de Nápoles. Depois de uma breve permanência na cidade de Palermo como maestro da Cappella Palatina, em 1752, aceitou o convite de D. José I de Portugal para ocupar o prestigiante cargo de “Compositor da Real Câmara e Mestre das Suas Altezas Reais”. Passou, assim, a dirigir a vida musical da Corte portuguesa, permanecendo em Lisboa até à sua morte, em 1778. Ao longo da sua vida compôs música sacra de grande relevância, obras instrumentais, peças didáticas e mais de 44 obras dramáticas, das quais 14 foram escritas em Portugal. Duas das mais notáveis, 'Alessandro nell’Indie' e 'La Clemenza di Tito' (1755), foram compostas para a Ópera do Tejo, que ruiu em durante o Terramoto. A sua obra influenciou a maioria dos compositores portugueses da época, muitos dos quais foram seus discípulos diretos. O legado de Perez representa, assim, uma parte importante da história da música portuguesa.  

Sobre a oradora

Iskrena Yordanova é formada em violino e música de câmara pela Academia Superior de Música de Sofia (Bulgária), tendo posteriormente aperfeiçoado a técnica e o repertório de violino barroco. É concertino e membro-fundador da orquestra barroca portuguesa Divino Sospiro desde 2004, ensemble com o qual se apresenta regularmente em concertos e festivais por todo o mundo e tem gravado para as editoras internacionais Decca, Nichion, Dynamic, Arcana (Outhere), Pan Classics e Glossa.

 

É doutorada em musicologia pela Universidade de Évora, com uma tese sobre a oratória em Portugal no séc. XVIII. No campo da investigação, tem feito pesquisa e edição de repertório musical português e italiano do séc. XVIII, incidindo particularmente nas obras de Domenico Scarlatti, Pedro António Avondano, David Perez, Niccolò Jommelli, João Cordeiro da Silva e João de Sousa Carvalho.

 

Desde 2014, é diretora científica de Divino Sospiro – Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal. Nesta qualidade desenvolve vários projetos de recuperação de património musical do séc. XVIII, como das Serenatas escritas para o Palácio de Queluz, e organizou 9 colóquios internacionais de musicologia, com grande êxito e participação internacional.

 

Desde 2018, é responsável científica pela série 'Cadernos de Queluz' da editora austríaca Hollitzer Verlag, de que foram publicados os seguintes volumes: 'The Serenata and the Festa teatrale in 18th century Europe' (Iskrena Yordanova e Paologiovanni Maione, 2018), 'Diplomacy and Aristocracy as patrons of music and theatre in Europe of the Ancien Régime' (Iskrena Yordanova e Francesco Cotticelli, 2019), 'Theatre Spaces in 18-century Europe' (Iskrena Yordanova, Giuseppina Raggi e Maria Ida Biggi, 2020), 'Padron mio colendissimo…: Letters about Music and Stage in the 18th Century' (Iskrena Yordanova e Cristina Fernandes, 2021).

Sobre o programa

O ciclo de palestras 'Encontros nos Palácio Nacionais' traz ao Palácio Nacional de Sintra e ao Palácio Nacional de Queluz alguns dos maiores especialistas em áreas como História, Museologia, Arquitetura, Ciência e Arte. Trata-se de uma oportunidade de o grande público ver respondidas questões desafiantes e ter contacto com quem mais sabe sobre temas relacionados com os Palácios, Sintra e a sua História

 

ATUALIZAÇÃO: Devido à situação de elevado risco de contágio por Covid-19, o Colares de Honra não irá realizar-se, mantendo-se um momento de convívio e discussão informal de ideias e de experiências depois da palestra. 

 

  • Duração: Palestra: 60-75 minutos / Convívio: 45-60 minutos

Preço

Inscrição
1 €/participante

Informações adicionais

  • Os portadores de bilhete devem dirigir-se à entrada do Palácio 10 minutos antes da hora agendada. Não existe tolerância de atraso.
  • O bilhete permite apenas o acesso ao evento. A visita geral ao Palácio não está incluída.
  • Idioma da palestra: português.
  • Não se aceitam trocas nem reembolso de bilhetes, salvo em caso de alteração de data ou cancelamento do evento.

Medidas de segurança COVID-19

Acesso à palestra sujeito a apresentação de Certificado Digital COVID da UE nas modalidades de certificado de teste ou de recuperação, ou da apresentação de comprovativo de realização laboratorial de teste com resultado negativo (medidas em vigor até 14 de janeiro de 2022), sem prejuízo de eventuais alterações que possam ser entretanto determinadas pela Direção-Geral da Saúde.

Outras medidas:

  • Higienização das mãos antes de entrar.
  • Uso obrigatório de máscara.
  • Respeito da distância mínima de segurança.

Saiba mais sobre o ciclo de palestras 'Encontros nos Palácios Nacionais'

Saiba mais sobre o Palácio Nacional de Queluz