Acesso ao Parque de Monserrate: Alteração temporária de trânsito. Saiba mais /// Palácio da Pena: visita apenas com data e hora marcada, indicadas no seu bilhete; não existe tolerância de atraso. Saiba mais

Toccami l'Anima - Biografias

LFR19002D00228

MARCO MENCOBONI | cravos

Marco Mencoboni é um músico nascido em 1961 em Macerata (Região de Marche). Aborda a música enquanto solista, maestro, produtor discográfico, produtor de filmes, ator e escritor.

Iniciou os seus estudos de composição e interpretação de órgão em 1976, com Umberto Pineschi, no Conservatório Rossini, em Pesaro, tendo-se mudado depois para Bolonha, seguindo o seu professor, onde obteve o seu diploma em 1985. Em 1984, a convite de Ton Koopman, inscreveu-se para estudar cravo no Conservatório Sweelinck de Amesterdão, transferindo-se posteriormente, em 1987, para a classe de Gustav Leonhardt, com quem concluiu os seus estudos em 1990. A vez seguinte em que entrou numa escola como aluno foi em 2009, tendo como motivação seguir as aulas de polifonia renascentista do Prof. Diego Fratelli no Conservatório de Lecce.

No início da década de 1990, tornou-se empresário musical, produtor discográfico, diretor artístico de festivais – abandonando a atividade de solista pela qual já ninguém, incluindo o próprio, se interessava.

A necessidade e o desejo de criar um ensemble vocal nasceu da redescoberta, em 1993, da antiga prática do Cantar Lontano, na altura apenas conhecida pelos musicólogos, mas nunca posta em prática. A prática do Cantar Lontano (que, segundo o seu inventor, Ignazio Donati, não precisa de um maestro) inicialmente necessitou, no entanto, de uma série de experiências e tentativas para conseguir conduzir os músicos dispostos à distância uns dos outros.

A necessidade de aprender uma técnica de direção moderna, facilmente compreendida pelas orquestras atuais, surgiu quando começou a trabalhar algumas orquestras sinfónicas e com produções exigentes, como o Otelo de Rossini.

Atualmente, apresenta-se regularmente como intérprete e maestro por todo o mundo.